31 julho 2017

#4 | Eu Quero!

Chegou a hora de mostrar os lançamentos de julho que mais me interessei.

Ao descobrir que o conde de Swartingham visita um bordel para atender suas “necessidades masculinas”, Anna Wren decide satisfazer seus desejos femininos... com o conde como seu amante
Chega uma hora na vida de uma dama...
Anna Wren está tendo um dia difícil. Depois de quase ser atropelada por um cavaleiro arrogante, ela volta para casa e descobre que as finanças da família, que não iam bem desde a morte do marido, estão em situação difícil.
Em que ela deve fazer o inimaginável...
O conde de Swartingham não sabe o que fazer depois que dois secretários vão embora na calada da noite. Edward de Raaf precisa de alguém que consiga lidar com seu mau humor e comportamento rude.
E encontrar um emprego.
Quando Anna começa a trabalhar para o conde, parece que ambos resolveram seus problemas. Então ela descobre que ele planeja visitar o mais famoso bordel em Londres para atender a suas necessidades “masculinas”. Ora! Anna fica furiosa — e decide satisfazer seus desejos femininos… com o conde como seu desavisado amante.

Eu adoro romances de época e essa edição parece estar um luxo, por isso não podia faltar na minha lista. E achei interessante ele ter sido publicado pela primeira vez em 1970. 

O terceiro livro da série Noivas da semana. Gwen Harrison: a bela filha de um duque inglês se mudou para os Estados Unidos para cuidar da agência de casamentos de sua cunhada. Só porque ela agora é a chefe da agência, não significa que não possa fantasiar um encontro perfeito com o enigmático Neil MacBain, o guarda-costas que vem tornando seus sonhos um tanto quanto agitados. Mas negócios são negócios, e é melhor Gwen não se deixar envolver. Neil MacBain: o ex-fuzileiro naval não pode negar o efeito da aristocrata Gwen em sua alma atormentada e seu corpo esculpido pela rotina militar. Mas ela é cliente dele, e manter distância é fundamental — até uma ameaça do passado de Neil retornar e Gwen se ver no meio do fogo cruzado. Agora depende de Neil decidir o que é mais importante salvar: sua carreira, sua vida... ou a mulher que conquistou seu coração.

Já esse é o terceiro livro dessa série que me pegou pelas capas incríveis. Ainda não li o segundo, mas já quero esse também.

Malikah conheceu muito cedo toda a crueldade de que o ser humano é capaz. Escravizada e trazida ainda criança da África ao Brasil, sofreu as mais diversas formas de violência, especialmente depois de ter engravidado de Henrique, o filho do dono da fazenda onde trabalhava. Mesmo sendo resultado de uma relação de amor, estar grávida de um de seus senhores era uma afronta aos homens da casa-grande, por isso Malikah foi duramente castigada e quase morta.
Malikah e seu bebê, Hasan, só conseguiram escapar com a ajuda de Cécile e Fernão, que lhes deram abrigo na Quinta Dona Regina, um lugar novo onde todos, brancos e negros, poderiam viver em liberdade. Porém, mesmo com a relutância de Malikah, Henrique continua por perto, arrependido por não ter protegido sua amada e tentando se aproximar de Hasan.
Mas como um homem que foi ensinado a cometer tantas atrocidades poderá dar a uma criança o amor incondicional? Apesar de Malikah ainda sentir algo por ele, é possível perdoar alguém que representa para ela tantos anos de injustiça e sofrimento?

Esse eu quero exclusivamente por causa da autora. Eu amo os livros da Marina e achei essa sinopse muito interessante.

Esta edição de luxo tem uma seleção imperdível com três das melhores histórias de Agatha Christie, a eterna Rainha do Crime. O leitor encontra aqui reunidos alguns dos casos mais famosos da inesquecível Miss Jane Marple, do casal Tommy e Tuppence Beresford e do novato Charles Hayward. Em tramas engenhosamente traçadas para nos despistar a todo o momento, nossos astutos investigadores apontarão os culpados em meio a espetaculares reviravoltas, atestando a genialidade e o sucesso dessa autora que se tornou um clássico da literatura de mistério. Agatha Christie é, e sempre será, a inspiração máxima para todos os autores do gênero. A casa torta - Primeiro a guerra faz com que Charles Hayward adie seu pedido de casamento. Alguns anos depois, ele se vê obrigado a adiar o próprio matrimônio em razão de um mistério -- Sophia Leonides, sua noiva, acaba de perder o avô Aristide de forma súbita e um tanto suspeita. Teria sido um assassinato? O escândalo poderia arruinar o nome da família. Instruído pelo pai e pelo inspetor-chefe Taverner - ambos da Scotland Yard -, Charles decide se hospedar na residência dos Leonides (a Casa Torta) para descobrir se, entre aqueles familiares tão únicos e motivados a matar seu patriarca, não estaria a prova do crime capaz de colocar o culpado atrás das grades. Porém, uma nova reviravolta promete avalar todas as certezas sobre o assunto. Um pressentimento funesto - Ao fazerem uma visita à tia de idade já vem avançada no asilo de Sunny Ridge, Tommy e Tuppence Beresford abrem os caminhos para um novo mistério envolvendo o desaparecimento de uma das hópedes -- a amada e um tanto confusa sra. Lanccaster, que indagou antes de morrer: "Desculpe, mas a coitadinha era sua filha?". Assassinato na casa do pastor - Na pacata aldeia de St. Mary Mead, é muito fácil vasculhar a história de algum de seus habitantes: basta perguntar a uma das respeitáveis senhoras que ali vivem, em particular uma conhecida como Miss Marple. Jane Marple faz aqui sua primeira aparição nos romances de Agatha Christie, atuando de forma inteiramente amadora (e infalível) nas investigações dos crimes com os quais se depara. Seu primeiro "caso" envolve a morte do coronel Protheroe, tão odiado na aldeia que Miss Marple não consegue apontar um, mas, sim, sete suspeitos do crime, todos com suas devidas motivações para se livrarem do velhaco. Mas quem realmente teria assassinado o terrível coronel?

E claro que não podia faltar a minha autora favorita nessa lista. Quase surtei quando vi que mais dois box seriam lançados. Mesmo já tendo lido os três livros, vou querer para minha coleção.

Esta edição de luxo tem uma seleção imperdível com três das melhores histórias de Agatha Christie, a eterna Rainha do Crime. O leitor encontra aqui reunidos alguns dos casos mais famosos do detetive belga Hercule Poirot, incluindo o seu último e derradeiro... quando as cortinas do espetáculo se fecham de forma dramática! Em tramas engenhosamente traçadas para nos despistar a todo o momento, nosso astuto investigador apontará os culpados em meio a espetaculares reviravoltas, atestando a genialidade e o sucesso dessa autora que se tornou um clássico da literatura de mistério. Agatha Christie é, e sempre será, a inspiração máxima para todos os autores do gênero. Poirot perde uma cliente - Se a morte de Emily Arundell não surpreendeu ninguém -- afinal, já era uma mulher bem idosa e sua saúde não era das melhores --, o mesmo não se podia dizer de seu testamento. Após sobreviver ao que acreditava ser uma tentativa de assassinato, a srta. Arundell alterou os beneficiários da herança e escreveu para Hercule Poirot em busca de auxílio e proteção. Quando a carta enfim chega às mãos do detetive belga, já é tarde demais. Agora, caberá a Poirot e a seu fiel companheiro Hastings determinar se os incidentes não passaram de infelizes eventos isolados ou se, na verdade, faziam parte de um mesmo plano sinistro. A extravagância do morto - A pedido da escritora e amiga Ariadne Oliver, Hercule Poirot viaja às pressas até a Mansão Nasse, no condado de Devon. Acontece que Ariadne foi contratada para planejar uma brincadeira em que os convidados da festa precisam identificar o assassino em meio a pistas e suspeitos fictícios, mas ela sente que algo ruim está para ocorrer. Como se alguém estivesse se aproveitando da ocasião para executar um assassinato de verdade. A ideia é que Poirot aja depressa e em sigilo para descobrir todo o esquema e evitar o pior. Cai o pano - Este romance nos transporta mais uma vez à Mansão Styles -- palco do primeiríssimo romance policial de Agatha Christie. Pois é chegado o momento de contar o último caso de Hercule Poirot, o famoso detetive belga. E que melhor forma de encerrar uma grande saga do que retornar às suas origens? Desta vez, cinco casos antigos, sem aparente relação entre si, intrigam Poirot. Havia certezas demais e pouca reflexão envolvendo os motivos e os culpados dos crimes. Além disso, um novo suspeito, X., poderia estar relacionado de diferentes formas a cada um dos incidentes. E o sujeito se encontra hospedado bem ali, em Styles, acima de qualquer suspeita e pronto para atacar novamente. Conseguirão Poirot e Hastings apanhá-lo antes que as cortinas do espetáculo se fechem? Esta edição conta com a tradução de uma das maiores damas da nossa literatura, Clarice Lispector, resultando num trabalho primoroso e irretocável.

E aqui mais livrinhos do meu querido Poirot. Assim que der vou comprar. E tomara que a editora lance todos eles para eu completar minha coleção.

E vocês, se interessaram por algum desses? Quais foram seus desejados no mês de julho?




29 julho 2017

Resenha | Filha da Profecia - Juliet Marillier


Livro: Filha da Profecia
Série: Coleção Sevenwaters #3
#1 Filha da Floresta
#2 Filho das Sombras
Gênero: Fantasia, Fábulas
Autora: Juliet Marillier
Editora: Butterfly Editora
Páginas: 640
Ano: 2014

Resenha:
Fainne foi criada sozinha por seu pai Ciarán desde a morte de sua mãe Niamh. Eles vivem em Kerry, um vilarejo litorâneo, que por ser afastado de tudo, é perfeito para pessoas como eles, descendentes de feiticeiros. Fainne passa os dias aprendendo tudo que seu pai lhe ensina e desenvolvendo suas habilidades. Por isso ela não tem muitos amigos. Na verdade ela tem só um, Darragh, que chega na região todo verão junto de uma caravana de viajantes. Fainne sempre soube que por serem diferentes ela nunca seria como as outras garotas, mas nem por isso ela deixa de desejar a liberdade que ela observa nas meninas da caravana. Não que ela não seja livre, seu pai nunca a proibiu de sair, até porque ela não iria muito longe com a deficiência em seu pé. Ele até incentiva Fainne a ter suas próprias regras. O problema está em ser uma categoria intermediária entre os humanos e o Outro Mundo. Não fazer parte de nenhum lugar.

Desde muito pequena Fainne foi instruída pelo seu pai na magia. Apesar de ser filho de uma grande feiticeira, ele aprendeu magia com os sábios druidas da floresta. E sempre ensinou Fainne a tomar muito cuidado com a magia para não acabar como sua avó, que ultrapassou todos os limites ao despertar a magia negra. Mas até seus quatorze anos ela desconhecia sua própria história. Mas então seu pai decide que está na hora de Fainne conhecer Sevenwaters e enfim conta como ele e sua mãe se conheceram. Só então Fainne descobre que o casamento de seus pais foi proibido por ele ser meio irmão da mãe de Niamh e também filho da mulher responsável pela maior desgraça que aconteceu em Sevenwaters. Mas antes de ir para Sevenwaters ela vai ter um período de aprendizado com sua avó, Lady Oonagh, que vai ensinar a Fainne o que seu pai não conseguiu.

O que Ciáran nem imaginava era que Lady Oonagh tinha seus próprios planos. Ela quer vingança contra seus antigos inimigos de Sevenwaters e quer a todo custo impedir que Sean e seus aliados reconquistem as Ilhas Sagradas, conquistadas há gerações pelo povo de Northwoods. E ela vai usar Fainne como arma de vingança. Seu treinamento com Fainne é severo, e diferente de Ciarán, ela usa a magia para punir Fainne quando esta não faz sua vontade. Ainda assim Fainne se recusa a participar dessa vingança. É então que Lady Oonagh ameaça matar Ciarán se Fainne não fazer o que ela quer. Fainne não tem alternativa a não ser fazer o que sua avó deseja. Assim ela parte para Sevenwaters para conhecer a família de sua mãe, que tanto desgosto deu aos seus pais. O que ela não esperava era ser tão bem acolhida, principalmente por Connor, que foi quem mais dor causou a seu pai. Agora ela não sabe se segue seu coração ou se faz a vontade de sua avó e salva seu pai. 

"Agora que o momento de partir chegava, eu nem conseguia falar. A tarefa que eu tinha a cumprir era tão dificil que eu nem queria pensar. Mudar o curso de uma longa batalha. Vencer os Seres da Floresta em um jogo que eles praticavam desde antes deste mundo existir. Eu teria que terminar a tarefa que minha avó havia começado e fazer isso a qualquer preço para retribuir a papai todos os longos anos de paciência e de conhecimento que ele havia me transmitido."

Mais um livro dessa série que me conquistou pela capa maravilhosa e me ganhou de vez quando comecei a ler e conheci e escrita maravilhosa da autora e seus personagens incríveis, principalmente as mulheres poderosas. Novamente temos uma protagonista feminina inesquecível, que rouba a cena, e que sem ela a história não seria nem vinte por cento do que foi. No terceiro livro já temos a terceira geração de Sevenwater cuja história começou baseada em um conto, mas que cresceu tanto que acabou por se tornar uma das melhores sagas de fantasia que já li na minha vida. Cada livro conta a história de uma das gerações e temos um espaço grande de tempo entre uma história e outra. E mesmo as histórias tendo começo, meio e fim, é ideal que as leituras sejam feitas na ordem porque os livros se complementam e a história do povo dá continuidade.

Quando pego um dos livros dessa série para ler eu sempre lembro daquela imagem do iceberg que fica só uma pontinha para fora do mar e onde não conseguimos ver tem uma monstruosidade de gelo. Essa história é assim. Quado começa é só aquele pontinho e quando percebemos tem tanta história que mesmo os livros tendo em média 600 páginas, ainda é pouco para contar essa história tão grandiosa. E mesmo com esse tanto de páginas, em nenhum momento ela se torna cansativa, as autora sabe dosar os diálogos com as partes mais descritivas e as partes mais introspectivas. E temos de tudo um pouco na história, desde romance, aventura, cultura celta e até algumas paginas onde a guerra que vem sendo anunciada desde o primeiro livro enfim acontece.


Quando li Filha da Floresta e conheci Sorcha, me encantei com sua força e determinação e achei que fosse dificil encontrar um personagem tão marcante quanto ela. Mas então li Filho das Sombras e conheci Liadam que herdou toda a força de sua mãe e ainda conseguiu superá-la em várias coisas, como na coragem para enfrentar os Seres da Floresta. Então veio Filha da Profecia e conheci Fainne, que diferente das outras protagonistas foi criada fora de Sevenwaters e ainda carregava o estigma de ser descendente de feiticeiros. Ela começou de mansinho e foi me ganhando ao longo da história e quando enfim tudo foi revelado me peguei com o rosto molhado de lagrimas por ter tido a oportunidade de conhecer uma história tão linda quanto a dela. Se Sorcha e Liadam eram sinônimos de força, Fainne é de superação. É tão bom ler um livro que o personagem cresce tanto que se torna parte essencial de uma história que no caso nem deveria ser sua. E nem vou falar dos outros personagens para essa resenha não ficar enorme, mas todos eles me cativaram.

Mas infelizmente teve uma coisa que me incomodou muito nesse livro. O título é um grande de um spoiler. A Butterfly está entre meu top 5 de editoras favoritas, seja pelas edições maravilhosas como pelas histórias incríveis. Mas infelizmente o grande ápice da história não teve tanta graça assim porque o grande mistério a ser revelado, já está explicito no título do livro. O título original é Child of the Prophecy, que se tivesse sido traduzido como criança e não como filha, teria permanecido o mistério para ser revelado na hora certa. Como foi traduzido diferente, eu já sabia o que ia acontecer antes mesmo de tudo ser encaminhado para aquilo. Mas ainda assim, é apenas um detalhe que não tirou a beleza da história. E falando em beleza, a edição está tão perfeita quanto as outras. Eu recomendo o livro de olhos fechados. Essa série é uma das melhores que já li na minha vida e olha que já foram mais de 2.000 livros lidos só que tenho anotado. Leiam, vocês não irão se arrepender.

Nota:






28 julho 2017

#70 | A Estante Aumentou

Esse mês comprei poucos livros, mas chegou alguns de parceria e que ganhei em sorteios, por isso de novo a estante aumentou. Mas como doei alguns livros, consegui um espacinho para os novos moradores hehe.

Esses três chegaram de parceria com a Novo Conceito. A capa de Caraval é linda, com o simbolo azul brilhante e o resto em alto relevo. 


Da Butterfly chegou o terceiro livro da série Sevenwaters. A edição está tão linda quanto as outras.


Esses dois eu comprei. Esposa até Segunda veio esses marcadores fofos junto. E Cartas para uma falsa dama eu comprei porque gostei bastante da novidade da editora em publicar os romances do tamanho padrão dos outros livros, mas desanimei um pouco para ler porque li umas resenhas bem negativas dele.


Esses dois eu ganhei. Crave a marca ganhei em uma sorteio no blog Mademoiselle Loves Books. O outro livro ganhei de aniversário atrasado.


Esses dois eu comprei com vales presente que ganhei respondendo pesquisas. São dois livros que estavam na minha lista de desejados.


Esses marcadores recebi em parceria com o autor L. F. Farias. Já resenhei o livro dele aqui.


Esses mimos lindos recebi de parceria com a autora Kami Girão. Também já tem resenha do livro aqui.


E por ultimo, mas não menos importante, recebi essa cartinha linda da parceira Bianca Gulim. Ela fez uma surpresa linda encomendando esses marcadores personalizados do blog. Muito obrigada Bianca. também tem resenha do livro dela aqui.


E vocês receberam muita coisa esse mês?




25 julho 2017

Resenha | Horror na Colina de Darrington - Marcus Barcelos


Livro: Horror na Colina de Darrington
Série: ?
Gênero: Terror, Suspense
Autor: Marcus Barcelos
Editora: Faro Editorial
Páginas: 144
Ano: 2016
Sinopse:
Em 2004, Benjamin Simons deixa o orfanato em que viveu desde a infância para ajudar alguns parentes num momento difícil: com sua tia debilitada e o tio trabalhando dia e noite, precisavam de alguém para tomar conta de sua prima Carla, de apenas cinco anos de idade.
No entanto, certa madrugada, a tranquilidade da colina de Darrington é interrompida por um estranho pesadelo, que vai tomando formas reais a cada minuto. Logo, Ben descobre-se preso numa casa que abriga mistérios, onde o inferno parece mais próximo e o mal possui uma força evidente.
Passaram-se mais de 10 anos. Isso tudo aconteceu quando Ben estava com dezessete anos, e foram experiências das quais ele preferia esquecer completamente…
Mas aquele passado o acompanha de perto. Ben sente que precisa voltar e sabe que, ou desvenda tudo ou sempre viverá com medo. Então, ele decide contar, e traz numa narrativa angustiante e rica em detalhes tudo o que viveu e todas as batalhas impensáveis que travou para tentar manter a si próprio e a jovem prima em segurança. E se descobre no centro de uma conspiração capaz de destruir até a sua própria sanidade.
Onde termina o inferno e começa a realidade?

Resenha:
Geralmente costumo escrever as resenhas falando um pouco sobre o enredo do livro. Mas como essa sinopse resume bem do que se trata e não dá para falar muito mais que isso mesmo para não estragar a surpresa de quem vai ler o livro,  já que a história é toda suspense e mistérios, hoje vou só colocar a sinopse mesmo. O livro é narrado em primeira pessoa pelo olhos do nosso protagonista, o Ben. Como o livro alterna bastante entre presente, passado, passado mais passado ainda, eu achei ele um pouco confuso no começo e demorei para começar a entender certinho a história.

O grande diferencial desse livro é que ele é escrito na forma de filme, então você não apenas lê a história, mas também visualiza tudo como se estivesse assistindo as cenas mesmo. E tem até umas ilustrações bem legais para ajudar nessa questão. E já que falei das ilustrações, tenho que falar sobre essa edição, uma das mais bonitas que tenho na minha estante. Desde a capa, bem criativa com as grades do portão e o título em alto relevo, ao miolo que é na cor preta e na diagramação maravilhosa, esse livro dá gosto de pegar na mão e ficar admirando.


Eu estava louca para ler esse livro desde que li várias resenhas super positivas dele. Acho que já comentei aqui que sou fã de histórias de terror, mas acho bem dificil de encontrar um livro que realmente dê medo. Ou são livros que puxam para o lado psicológico ou para o lado de demônios, o que não gosto muito. E todas as ressenhas que li, prometiam que esse livro dava muito medo. Então imaginem a minha expectativa para ler ele. E mesmo assim comprei e demorei um tempão para começar a ler.

Logo no começo da história já tem uma cena de arrepiar, com o nosso protagonista vendo fantasmas na casa. Então já comecei gostando. Mas parou por ai. Infelizmente a história virou uma salada onde o autor não focou em apenas uma coisa sobrenatural, mas tem desde fantasmas, rituais satânicos, demônios, que já falei que não gosto, até a parte onde não se sabia se o que ele estava falando era realidade ou loucura da cabeça dele. E está ai um dos motivos do porque não gosto de livros em primeira pessoa. Terminei a história sem saber se o que ele contou aconteceu mesmo ou não. Ou então sou meio lerda para entender hehe.

Quanto ao protagonista, infelizmente não conseguiu me cativar. Mesmo sendo em primeira pessoa, não deu para saber muito sobre ele. Como disse, não entendi se o que aconteceu foi verdade mesmo ou não. E isso não é spolier porque logo no começo do livro sabemos que ele está internado em um sanatório. E chegou no final e também não entendi se vai ter uma continuação ou não. Infelizmente, o que o livro tem de bonito, tem de confuso. Ou como disse antes, pode ser que seja apenas comigo. mas como as notas que dou é baseado na minha opinião pessoal, a nota não foi muito alta. Enfim, leiam por sua conta e risco. Quem sabe você aprecie mais do que eu.

Nota:






24 julho 2017

Parceria | Rodrigo Picon

Tenho o prazer de anunciar mais uma parceria aqui no blog. Dessa vez é com o autor Rodrigo Picon. Logo tem resenha do seu mais novo lançamento. Vamos conhecê-lo?

O Autor:

Rodrigo Cesar Picon de Carvalho é advogado, escritor, poeta e contista. Desde criança, sempre inventou histórias e almejou ser escritor quando crescesse. Nasceu seu primeiro livro em 2011 e nunca mais parou. É autor do horrendo “O Massacre no Colégio Itahtari”, do assustador “O Menino e o Palhaço”, do livro de poesias “Um Olhar entre Dois Poetas”, onde escreveu junto de sua namorada, a poetista Carla Discila Detomi, da fantasia “Segredos” e de inúmeros contos de terror, espalhados internet fora, sua maior paixão. No campo do Direito, é autor dos livros “Código de Defesa do Consumidor Comentado”, “Direitos Difusos e Coletivos Comentado” e de artigos acadêmicos na área do Direito. Foi convidado para participar de um evento jurídico em Bari, na Itália, no ano de 2015.  Reside em São João del Rei com seus pais e irmão.

Sua Obra: 

Richard, Kai e Bárbara são pacatos estudantes de Direito da Universidade de Cárs, a maior do país. Em uma noite qualquer, o grupo conhece Sarah, uma bela garota que rapidamente mexe com Richard e o remete diretamente ao seu sombrio passado, embora não saiba o porquê. Depois, descobrem a existência de um estranho e maligno ritual chamado “Ritual das Mil Almas”, que pretende reviver um antigo ser diabólico para ter em suas mãos o poder de controlar o tempo. E, por algum motivo, Sarah é o cerne principal do ritual.
“Segredos” é o primeiro livro da trilogia “O Mundo dos Fragmentos Fractais”, uma aventura inigualável, onde os heróis deverão atravessar o espaço-tempo fragmentado em pequenos pedaços, enquanto conhecemos culturas diferenciadas, tempos diferentes, monstros inimagináveis e magias poderosas.


Saiba mais:

Página do autor no Facebook




21 julho 2017

Resenha | Escândalo de Cetim - Loretta Chase


Livro: Escândalo de Cetim
Série: As Modistas #2
#1 Sedução da Seda
Gênero: Romance de Época
Autora: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Ano:

Resenha:
As Irmãs Noirot são as proprietárias de um refinado ateliê em Londres, O Maison Noirot. Marcelline, a mais velha, é o cérebro criativo, é ela quem desenha e cria os vestidos. Leonie, a mais nova, é o gênio financeiro, é ela quem cuida das contas e Sophia, a irmã do meio, é quem convence as clientes a levar os modelos. Suas irmãs brincam com ela dizendo que Sophia venderia areia para um beduíno se quisesse. E além de vender as roupas, Sophia ainda é a encarregada de manter o nome do Maison longe dos escândalos, por isso ela trabalha como espiã para o editor do Spectacle, o principal jornal de escândalos de Londres. Mas manter o bom nome do ateliê está cada dia mais dificil depois do casamento repentino de sua irmã Marcelline com o Duque de Clevedon. Marcelline praticamente roubou o duque das mãos de Lady Clara Fairfax e a mãe de Clara, Lady Warford, virou inimiga mortal delas e por isso várias clientes já abandonaram o ateliê.

Mas Harry Fairfax, o conde de Longmore, sempre foi amigo de Clevedon e continua sendo mesmo após ele ter preferido se casar com Marcelline em vez de de casar com sua irmã Clara. Por isso ele se sente à vontade para falar com Clevedon sobre suas preocupações com Clara. Ela está cedendo a corte de Lorde Adderley, um vigarista caça-dotes. Então Clevedon sugere que ele fale com Sophia para que ela fique de olho em Lady Clara, já que Sophia é discreta e está sempre atenta a todos os detalhes nos salões de baile, vide seus excelentes textos no Spectacle. Ele precisa afastar qualquer devasso ou falido de Clara para que ela encontre alguém à altura de Clevedon, só assim sua mãe vai deixar a família deles em paz novamente. Mas quando encontra Sophia novamente, ele percebe que vai ser difícil ela ficar de olho em Clara, já que ela tem que se livrar de seu próprio séquito de devassos. E enquanto observa Sophia, ele não presta atenção em Clara, que acaba em uma situação que ele estava tentando evitar. 

Quando chega até a varanda, ele vê o que várias pessoas já viram, Adderley tentando arrumar o corpete de Clara. Ele não se conforma como sua irmã se deixou seduzir por um canalha como aquele e parte para cima de Adderley. Mas Clara entra em sua frente e ele não consegue desferir mais do que um soco. E antes que possa desafiar Adderley para um duelo, Sophia que estava observando tudo intervém, e faz com que ele veja a situação de uma outra maneira. Ela pede que Longmore não faça mais nada e promete que ela e suas irmãs vão dar um jeito de reverter essa situação, afinal Lady Clara é sua melhor cliente e se ela se casar com um falido como Adderley, elas vão perdê-la. Mas elas tem que pensar em alguma coisa bem rápido, porque Clara já aceitou o pedido de casamento de Adderley. E também a Sra. Downes, rival delas no negócio, voltou a ativa e se não agirem rápido, elas vão ter que decretar falência. Mas como pensar em uma solução, se só o que Sophia consegue pensar no momento é em Lorde Longmore?

"— Os negócios! Tudo tem a ver com a loja?
— Sim. O que quer dizer que eu não poderia estar falando mais sério. Se me beijar de novo, vou lhe enfiar uma faca. "

Ultimamente estou sem sorte para os romances de época. É o terceiro livro que leio que acabei não amando o protagonista. E olha que eu demorei bastante tempo para ler o segundo livro da série. Estou com ele aqui na estante desde dezembro e só agora que lançou o terceiro que resolvi pegar para ler. Mas ainda bem que demorei para ler, porque se tivesse lido logo em seguida do primeiro, a nota do livro seria bem menor, porque estaria com as expectativas lá nas alturas e acabaria me decepcionado muito. E mesmo lendo tanto tempo assim depois, ainda assim não pude deixar de comparar os dois livros e esse segundo deixou bastante à desejar. A autora inovou tanto ao colocar como protagonistas das histórias simples modistas em vez das ladys tão costumeiras no gênero. Mas acabou colocando como protagonista do segundo livro um homem machista ao extremo e que mesmo esbanjando charme ao longo da história, o machismo falava mais alto e acabei desgostando dele.

Isso sem falar em uma cena que o casal protagonista simplesmente esquece uma criança debaixo de um pé d'água. Achei uó. Mas ainda assim é uma boa história. Eu já tinha gostado da química entre o casal no livro anterior e lá já tinha ficado evidente que eles teriam uma história junto. E as cenas entre eles foram muito divertidas. Eu ri horrores dos planos mirabolantes deles para conseguir salvar a Lady Clara. Mas quando o assunto parte para o romance, ai entra o machismo e a coisa muda um pouco de figura. As cenas entre eles foram bem escritas, mas como eu já estava predisposta a achar tudo errado, cada frase que Harry falava, me deixava mais nervosa. Gostei de rever os personagens do primeiro livro e principalmente Clara, que de novo é o centro da história e se dá mal mais uma vez. Espero que ela consiga logo alguém que valha a pena hehe. Mas mesmo não tendo gostado muito, estou ansiosa pelo próximo livro, já que Leoni pouco aparece nos dois primeiros livros. Quanto a capa, a do primeiro livro ainda é minha favorita, mas essa também está maravilhosa.

Nota: 





20 julho 2017

Especial | Dia do amigo

Dia 20 é o dia nacional do AMIGO.
Quem aí não tem um amigo em especial ou até mais? Aquele que confia, acredita no potencial e mesmo conhecendo os defeitos ainda assim o ama e tem apreço pela amizade.
Amizade é uma relação gostosa, e quando ambos estão dispostos para que a amizade prevaleça, perdoa, briga, ri e chora junto.... Enfim, como toda relação, a amizade só é possível prevalecer se ambos investirem no relacionamento.
Hoje nosso especial vai ser diferente... porque adoramos inovar (risos).
E aproveitando a data, vamos nos apresentar para vocês, porem de forma diferente. Uma vai apresentar a outra.... O que será que vem aí?...



Silvana por Olívia


Gente bora conhecer a pessoa que dirige esse blog como ninguém?!!! Preparados? aiii que responsabilidade... hehehe

A Silvana para quem não sabe, é super afinada e canta muito bem, detalhe ela é uma ótima contralto (quem não sabe que tom de voz é esse, observa a voz da Ana Carolina, Cassia Eller entre outras). Acho que vou inscreve-lá no The Voice. Porém ela é tímida e não ia aceitar cantar na frente das câmeras.

A Sil, assim como a chamo. É apaixonada por gatos e tem 3 (espero não ter errado nas contas) e são lindos e bem cuidados.
Ah! nos conhecemos na igreja na qual eu frequentei durante anos, e logo que nos conhecemos foi amizade a primeira vista. Aprendi cantar com ela.

Ela é uma ótima professora, sim! ela dava aula na Escola Bíblica Dominical, e sempre amava ouvi-la ensinar. Aprendi muito, e detalhe ... ela sempre foi generosa ao ensinar, quando eu não sabia de algo, ela sempre esteve pronta para ajudar.

Momentos na igreja <3 

A Sil também é uma pessoa muito inteligente, tem bom humor, mas não se enganem, a dona dos olhos azul esverdeados também tem uma personalidade forte, mas tem coração de mocinha hahahhahaa.
Hoje a gente não se vê com tanta frequência, mas a admiração e carinho que sinto por ela, não  diminuem. Sinto falta sim de quando trabalhávamos juntas no ministério da igreja. Éramos o Batman e o Robin, o queijo e a goiabada... Deu pra entender? Hehehe
Bem... O que mais posso contar sobre ela...  Quando digo que ela tem senso de humor.... É que mesmo na adversidade ela sempre contou as coisas que estavam ocorrendo (com o pai no caso) de forma que era até engraçado, mesmo a gente sabendo que eram graves e que o coração por dentro estava pequeno. Isso sim é ser forte viu! 

Ahhh não me esqueço de uma vez que ela comprou uma bota que estava na moda na época, e que nos julgamos não ficar bonita nela... Eu sei que lá dentro ela concordava kkkk, mas ainda usou durante um tempo até a gente ameaçar que ia inscrever-la no Esquadrão da Moda. Hahahhaha
Vocês já perceberam aí nos resumos do mês como a Silvana gosta de ler, ela tem vários livros e já me emprestou vários e até já pude emprestar também. Ela gosta tanto de ler que mesmo devorando uma lasanha ela não largava o livro e não é que ela conseguiu derramar no livro? 0.0 e era meu, o mais engraçado foi ela me devolver quase chorando hahahhaha, mas o livro voltou inteiro.
A mãe dela é uma fofa e me sinto da família.

Aiiii acho que por enquanto está bom né meu povo? Se não vai ficar um post imenso.

Olívia por Silvana


Há quase 13 anos atrás quando conheci a Olivia teve duas coisas que logo me chamaram a atenção nela. Primeiro foram seus cachos. Hoje está até na moda com várias celebridades assumindo seus cachos,  mas a 13 anos atrás, cabelo cacheado era motivo de vergonha. Mas não para a Olivia que assumia os seus sem nenhum problema. E olha que eram bastantes e compridos, lindos por sinal. E a segunda coisa foi seu grande carisma. 

A Olivia é aquele tipo de pessoa que você quer ficar amiga e em 5 minutos de conversa eu já soube que queria ter a amizade dela para o resto da vida. Ela deixa você à vontade para ser você mesma. Com ela você não precisa fingir nada. Ela te entende e te aceita como você é.

É engraçado que ela citou o Batman e o Robin porque é exatamente assim que você se sente ao lado dela. Um super herói. Olivia é aquele tipo de pessoa que te incentiva a superar seus medos e faz você ir além do que você imagina que pode. Ela te tá suporte e inspira confiança acima de tudo. Até mesmo a pessoa mais tímida vai se soltar ao lado dela.

A fase em que estavamos cabeludas hehehe

E já falei que ela é uma líder nata? Quando o nosso pastor na época pediu que ela assumisse a liderança dos adolescentes e futuramente dos jovens, acho que nem ela achou que fosse conseguir fazer tanta diferença na vida deles como foi. Porque ela é assim, ela incentiva as pessoas a se superarem e alcançar seus objetivos. 

Fora que ela tem mãos de fadas. Para ela não existe tempo ruim. Se a vida lhe dá uma rasteira ela levanta e dá a volta por cima. Eu já vi ela se propor a fazer todo tipo de coisa e tudo da certo porque ela é uma pessoa esforçada que corre atrás do que quer. Quando falaram pra ela "você está muito velha para fazer faculdade" ela foi lá e provou que todos estavam errados e não parou por aí. Ela continua estudando. 

Quer ovo de pascoa?  Ela faz uns deliciosos porque é uma cozinheira de mão cheia. Quer algo singelo e bem feito para dar de presente para alguém?  Ela é uma ótima artesã. Sem falar em seu conhecimento sobre filmes. Ela já amava e então trabalhou por um tempo em uma locadora, então imaginem o que ela absorveu nesse período. 

Enfim, a Olivia é alguém que eu sei que posso contar sempre.  Ultimamente só nos vemos pessoalmente nos aniversários, mas quando a gente se encontra é como se tivéssemos nos visto no dia anterior.

                                                                                 ¨¨¨

Fizemos esse post separadas, e quando cada uma leu a sua parte ficou em lagrimas. Eu no caso tô chorando aqui ao terminar esse post, não é TPM, nem tristeza e sim o prazer de receber flores em vida. 

Vou compartilhar algo... 13 anos de amizade e poucas fotos... como pode isso produção?!! dona Silvana temos que resolver isso viu! rs
Por falta de foto, temos um avatar ♥ 

Você tem algum amigo especial? a vida sempre nos aproxima de muitas pessoas, mas são poucas que estão ao nosso lado, mesmo que estar ao lado não seja diário... Amizade não é ver todos os dias... amizade verdadeira é como estar num campo de futebol e olhar para a arquibancada e ver que tem pessoas que você ama ali torcendo por você.




19 julho 2017

Resenha | The Dark World - Escuridão - L. F. Faria


Livro: Escuridão
Série: The Dark World # 1
Gênero: Aventura, Ficção Científica
Autor: L. F. Faria
Editora: Independente
Páginas: 260
Ano: 2016

Resenha:
John Blake tem dezenove anos e está prestes a começar em seu primeiro trabalho. Como sempre foi fascinado por descobrir fatos históricos sobre os lugares que visitava, ele decidiu que vai estudar História na faculdade, e para ajudar com o pagamento das mensalidades, ele aceitou esse emprego de verão. Ele vai trabalhar como monitor de campistas em um acampamento chamado Blue Ligh, em Wells, uma pequena cidade à quase 190 km de Londres, cidade onde ele reside. Mas as coisas não começam nada bem. Ele tem um pesadelo horrível durante a noite, onde ele é atacado por criaturas que não são nem humanas, nem animais, e por mais que tente escapar, ele é pego e acaba se tornando uma delas. E mesmo acordado, aquela sensação ruim, de escuridão, continua com ele. E mesmo durante a viagem, ele não consegue parar de se sentir estranho e até começa a ver coisas que não existem, chegando a achar que está ficando maluco.

Mas quando ele finalmente chega em Wells, a menor cidade da Inglaterra e com ar medieval em suas construções, um alivio parece tomar conta de seu corpo e ele tem certeza de que tudo não passou apenas de um pesadelo mesmo. John fica fascinado pela cidade, mas como já está atrasado para a recepção dos funcionários, ele decide voltar para explorar a cidade assim que tiver uma folga e segue para o acampamento. Como chega atrasado, John leva uma bronca do seu chefe. Ele é designado para a cabana laranja e logo faz amizade com Charlotte Lynn, uma monitora muito bonita que chama sua atenção e também com Ryan Wils, um monitor que pela aparência mais parece um galã de novela. E descobre que esse também é o primeiro emprego dos dois e que assim como ele, eles também são de Londres. E mesmo ficando em equipes rivais no acampamento, eles acreditam que podem ser amigos. E as coisas não demoram a esquentar.

Logo após a chegada dos campistas, a disputa começa e para John que ficou com a pior equipe, os garotos mais velhos, só resta torcer para que não aconteça nada de errado. No fim do dia John está exausto e decide se afastar um pouco dos campistas para ler um pouco. Mas ele ouve um barulho e decide investigar. Quando ele procura Ryan para saber se ele ouviu algo, ele não encontra Ryan em lugar nenhum e chama Charlotte para procurar Ryan com ele. Eles encontram Ryan na floresta perto do acampamento e é quando o pesadelo que John teve a noite vira realidade. Criaturas que um dia já foram humanas surgem de todos os lados atacando o que encontram pela frente. Eles conseguem escapar e voltar para o acampamento, mas decidem não falar nada sobre o que aconteceu. Porém no dia seguinte as criaturas chegam até eles destruindo o acampamento. Somente os três sobrevivem. Sua única opção é tentar achar ajuda em Wells. O que eles nem imaginam é que Wells foi isolada e eles estão presos com milhares de criaturas sedentas por carne viva.

" — Bem vindo ao meu mundo — disse John cansadamente. — Tenho eles desde ontem. Eu tinha muito medo de certas coisas e elas se tornaram real. Tinha medo do escuro e agora estamos vivendo nele. A pior parte disso tudo, é que nós devemos enfrentar os nossos medos, mas não criando novos pesadelos.
— Existe uma diferença entre ter medo e ser o medo. Ter medo é temer aquilo que te assombra e ser o medo é tornar-se tudo àquilo que sempre temeu — disse Ryan à ele.
— E é por isso que estamos tentando fugir — disse. — Por que não queremos nos tornar um deles. "

Já falei para vocês que adoro livros com zumbis, mas que não é tão fácil encontrar livros bons com esse tema. Mas ultimamente dei sorte, os últimos dois que li, gostei bastante. Escuridão é o primeiro livro que imagino ser de uma série. E ele já começa muito eletrizante com uma lenda sendo apresentada aos leitores. Mas será que é lenda mesmo. Não dizem que toda lenda começa com uma verdade? Logo em seguida conhecemos John, nosso protagonista e ele tem um pesadelo muito estranho. Sabe aqueles sonhos que mesmo depois que você acorda, ainda parece estar nele? É assim que ele se sente. E ainda quando a coisa é boa, queremos continuar no sonho, mas no caso aqui, ele não quer nem lembrar do que sonhou. Afinal esse não é o pesadelo da muitas pessoas? Se não fosse assim não teríamos tantos filmes, séries, livros e jogos com o tema.

E o pesadelo acaba se tornando realidade. Eu já falei aqui outras vezes que se acontece algo do tipo eu morria já na primeira hora, porque sou muito mole. Mas acho que só se acontecer mesmo para a gente saber qual é a nossa reação e do que somos capaz. Será que o instinto de sobrevivência fala mais alto? E sobrevivência é a palavra aqui. A história toda é de tirar o folego, é ação o tempo todo. Eles mal sobrevivem a um ataque e já vem mais uma horda de Imortais, como eles são chamados na história. Então o livro é daqueles de tirar o folego. Se você piscar perde alguma coisa. Parecia até um filme. E os zumbis aqui não são tontos não. Eles são rápidos e dão um trabalhão para morrer. Eu achei que eles não iam conseguir hehe.

Temos três personagens principais, apesar de John ser o protagonista, mas, todos comemoram, não temos triângulo amoroso. John tem um passado na história que não foi revelado, mas teve várias insinuações e eu fiquei aqui morrendo de curiosidade para saber mais sobre isso. Agora o ponto alto do livro é como começou esse "apocalipse zumbi". Eu estou aqui me coçando para contar para vocês, mas seria um tremendo de um spoiler. Mas confesso que fiquei de boca aberta. Geralmente não temos esse tipo de explicação nos livros do gênero. E o livro termina de uma maneira que precisamos da continuação. Então só me resta recomendar o livro para quem gosta do gênero. Ele cumpre o que promete. E vou torcer para que saia logo o segundo, porque preciso de respostas.

"Isto é real. Afinal você viu o homem, você também viu o seu futuro, John. Você foi um deles. Você é deles. Você será um deles. "

Nota:








18 julho 2017

Prêmio Mystery Blogger


Estou muito feliz em dizer para vocês que o Prefácio foi indicado para o prêmio Mystery. Fomos indicadas pela Ingrid do blog Resenha Atual e pela Caroline do blog Controvérsias. Muito obrigada Ingrid e Caroline, me sinto honrada.

O que é o prêmio Mistery?

O Mystery Blogger Award é um prêmio para blogueiros incríveis com postagens engenhosas. Seu blog não só cativa; ele inspira e motiva. Eles são um dos melhores e eles merecem todo reconhecimento que eles conseguem. Este prêmio também é para blogueiros que acham diversão e inspiração em blogs e fazem isso com tanto amor e paixão”. (Okoto Enigma)

E claro, que quem ganha o prêmio precisa seguir algumas regrinhas. Vamos à elas!

Colocar o logo/imagem do prêmio no seu blog.

Listar as regras.

- Agradecer a quem o nomeou e fornecer um link para seu blog.
- Mencionar o criador do prêmio.
- Contar a seus leitores três coisas sobre você.
- Nomear até dez pessoas.
- Notificar os seus indicados comentando no seu blog.
- Pedir a seus candidatos que respondam cinco questões de sua escolha, perguntas estranhas ou engraçadas.
- Compartilhar um link para sua melhor postagem.

Três coisas sobre mim:
- Poucas pessoas sabem, mas sofro de ansiedade. É um nervoso que chega a fazer muito mal. Por exemplo, se tenho médico marcado para o dia seguinte eu não durmo a noite, tenho diarreia e o estomago fica embrulhado até o horário do médico e a pressão sobe. Por isso sou avessa a mudanças. tenho que manter uma rotina diária para não passar mal.
- Faz dois anos que não como carne nem nada que tenha gordura. Mas não por minha vontade. Eu estou esperando uma cirurgia para retirada da vesícula e até lá minha vida é comer frutas, legumes, verduras e arroz sem óleo. Passei os dois últimos natais comendo arroz com alface. Mas se Deus quiser o mês que vem isso vai ser resolvido já que vai vencer a carência do convenio.
- Eu amo ficar em casa. Para me tirar de casa a pessoa vai ter um trabalhão. Não suporto festinhas com músicas altas e pessoas bêbadas em volta. Sou daquelas que ama vestir um pijama e deitar no sofá com uma manta e minhas gatas no colo, enquanto assisto uma série ou leio um bom livro. Pode me chamar de velha, eu não ligo hehe.

Perguntas da Ingrid: 
Qual seu livro favorito? Qual seu pior livro lido?
Acho que já falei aqui algumas vezes que O Assassinato no Expresso do Oriente é meu livro favorito de toda a vida. Amo a autora e foi ela que me fez amar os livros e como esse foi o primeiro que li com o meu querido detetive Poirot, ele se tornou meu favorito. Já o pior tem vários livros que achei bem chatos durante essa vida literária, que já está com quase trinta anos hehe. Mas vou citar um que li recentemente e vou citar ele porque me deu raiva o livro todo, mas sei que o pessoal amou, que foi Caixa de Pássaros.
Qual foi o melhor livro de romance já escrito na sua opinião?
Seria romance romântico ou qualquer livro de romance? Vou levar ao pé da letra e vou citar O Caçador de Pipas, que foi um livro que me marcou.
Se você pudesse escolher entre três gêneros literários para si viver: distopia, fantasia e época medieval, qual seria?
Apesar de amar romances de época, eu acho que não gostaria de viver naquele período não. Só de pensar em como a mulher e nada eram a mesma coisa, eu já perco a vontade. Distopia Deus me livre porque é uma pior que a outra. Então fico com a fantasia.
Qual crush literário você largaria tudo para ficar com ele?
Apesar de amar o personagem enquanto estou lendo o livro, não sou muito de me apegar a personagens literários. Mas poderia citar aqui qualquer um dos livros do Nicholas Sparks.
Nunca mais ter um livro físico e poder comer chocolate, ou ter o livro físico e nunca mais comer chocolate? No caso você pode ler o livro digital mas não o físico ok?
Aqui não tem nem o que pensar. Livro físico é tudo de bom e nenhuma comida por melhor que seja vai superar o prazer de ter ele nas mãos. E também já faz dois anos que não como chocolate hehe.

Perguntas da Caroline:
Se pudesse escolher um livro ou um filme para contar a história da sua vida, qual seria? 
As perguntas da Carol são todas difíceis. Mas acho que seria um livro de drama hehe
Você coleciona algo? Por quê? 
Já colecionei papel de carta, cartão telefônico, e várias outras coisas. Hoje em dia só livros mesmo hehe.
Como imagina sua vida junto com o blog daqui 5 anos?
Imagino que não precisarei trabalhar mais e vou viver só do blog hehe. Brincadeira. Espero que continue igual, porque no momento estou bem satisfeita com tudo.
Você trocaria a sua vida pela de algum personagem fictício ou real? 
Por mais que as vezes eu queira entrar em alguma história e viver ela, acho que não trocaria a minha vida por nenhuma outra não. Só queria ter mais dinheiro para poder comprar todos os livros que eu quisesse hehe.
O que inspira você a levantar da cama toda manhã?
Acho que a própria vida. Só de acordar e saber tudo o que posso viver naquele dia já me faz querer levantar e começar a viver o mais rápido possível. E detalhe, acordo sempre antes da sete, até no domingo hehe. Assim o dia fica maior.

Minha melhor postagem: 
Está muito longe de ser a melhor postagem. E acho até que é uma das piores. Mas como foi a primeira postagem do blog, foi escolhida com muito carinho, por isso é a mais especial e marcante. Mas como foi a cinco anos atrás e eu mal sabia o que era um blog, é uma das mais ruins hehe.
Resenha do livro Marina.

Minhas perguntas:
-  Desde que criou seu blog, qual foi a melhor coisa que já te aconteceu relacionado a literatura?
- Se pudesse ter um superpoder, qual você escolheria?
- Cite um livro que é muito bom, mas pelo seu gosto pessoal, você deu uma nota mais baixa ou vice-versa.
- Qual foi o maior mico que você já pagou?
- Se fosse publicar um livro, qual seria o gênero dele?


Meus indicados:
Sei que alguns já foram indicados por outros blogs, mas não posso deixar de mencioná-los aqui. E queria poder colocar todos os que frequento aqui, mas tive que escolher somente dez.
Cantinho para Leitura
Diário de Incentivo a Leitura
Estante da Ale
Magia É Sonhar
Meu Epílogo
Moonlight Books
My Dear Library
O que tem na nossa estante
Queria Estar Lendo
Vivendo Sentimentos



15 julho 2017

Resenha | O Sorriso da Hiena - Gustavo Ávila


Livro: O Sorriso da Hiena
Série: Não
Gênero: Thriller
Autor: Gustavo Ávila
Editora: Verus
Páginas: 266
Ano: 2017

Resenha:
A história começa com um garotinho assistindo seus pais serem assassinados na sua frente. Os dois estão amarrados em cadeiras de frente para ele, também amarrado em uma cadeira. O assassino fala que ninguém gosta de linguarudos antes de cortar a língua de seu pai fora e ele morrer engasgado em seu próprio sangue. O assassino diz que espera que o menino saiba se comportar melhor que seu pai quando crescer. Então ele aponta uma arma para a cabeça da mãe, cujo último olhar é para tentar acalmar seu filho.

Vinte e quatro anos depois a mesma cena se repete e temos outro garoto se tornando um órfão. É então que entra em cena o detetive Artur Veiga. Aos dez anos Artur foi diagnosticado com síndrome de Asperger, um tipo de autismo que deixa a pessoa com certas peculiaridades. Alguns portadores desenvolvem um interesse específico e o de Artur foram os romances policiais, dai sua profissão. Mas apesar de ser um dos melhores detetives da delegacia, as características de sua doença faz com que ele seja um dos mais excluídos também. Ele só tem uma amiga, a também detetive Bete.

É com ela que Artur está quando seu chefe manda ele atender uma ocorrência. Quando Artur chega ao local, ele logo percebe se tratar de um crime, mesmo que nenhum corpo tenha sido encontrado. Os vizinhos estranharam o silêncio no local e entraram na casa para encontrar somente o garoto amordaçado e amarrado em uma cadeira e nem sinal dos seus pais. Mas como ninguém foge deixando uma língua e sangue por todo lado para trás, com certeza os pais estão mortos. E o garoto traumatizado não quer falar. Nesses casos é preciso da ajuda de um psicólogo.

"— É sempre a mesma coisa com a policia. Depois que a vitima diz o que vocês precisam saber, ela não é mais do seu interesse. Na verdade, a vitima nunca é do interesse de ninguém. Vocês e a grande maioria só querem uma coisa: colocar alguém na cadeia. Como se condenar alguém fosse suficiente para evitar que outros crimes aconteçam."

O respeitado psicólogo infantil William Moreto não acredita em destino, mas não pode deixar de considerar o caso do garoto como uma oportunidade. Ele sempre quis acompanhar algum caso de alguma criança que tenha passado por alguma situação dolorosa e em como essa situação irá interferir no caráter dela durante seu crescimento. O que William nem imagina é que esse caso chegou às suas mãos por iniciativa do próprio assassino, David, que decidiu repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a sua quando tinha oito anos. E ele quer que William acompanhe o crescimento de suas vítimas.

"Quando li seu trabalho Como se tornam adultos, tive certeza de que você era a pessoa certa para isso. Não só pelo estudo, mas pela vontade de fazer algo que realmente possa ajudar o mundo a se tornar um lugar melhor. As respostas desse estudo podem fazer isso. O senhor sabe que podem. Eu sei que não é uma coisa fácil. Mas é racionalmente coerente. E a verdade é que vou continuar matando, Sr. William, porque é isso que eu sou. E eu sei que o senhor pode pegar esse mal e transformar em uma coisa boa, porque é isso que o senhor é."

Eu fiquei com muita vontade de ler esse livro quando li uma resenha dele no blog Meu Epílogo. Mas o livro era uma edição independente do autor e estava esgotado. Então tive que esperar porque a editora tinha adquirido os direitos do livro e só agora que lançou. Mas assim que vi ele na pré-venda corri para garantir o meu. O gênero policial foi minha primeira paixão. Tanto que até hoje a Agatha Christie é minha autora favorita. E saber que um autor nacional tem se destacado no gênero, me deixa muito feliz. O tema abordado é um que acho que todo mundo já se perguntou um dia.

Violência gera violência, mas até onde isso se estende? Todas as pessoas que sofrem violência serão violentos um dia? E no caso de uma criança, necessariamente uma criança que sofre uma violência será um adulto violento e irá repetir o que fizeram com ela? Até onde os erros dos pais influenciam os filhos? Essas e outras peguntas são apresentadas durante a leitura. Eu particularmente acredito que as condições que a criança vive influencia sim, mas acho que não é apenas isso que vai moldar o caráter dela. Se fosse assim todas as pessoas que sofreram algum ato de violência quando criança seriam pessoas más hoje e o contrário também seria verdadeiro.

" O mal nada mais é do que um buraco que quer desesperadamente ser preenchido, detetive. Se a sua teoria estiver correta, se ele está realmente fazendo esse estudo, três casos são pouco para uma comparação. É melhor você se apressar, porque quem está fazendo isso vai matar mais."

O Sorriso da Hiena é um trilher psicológico onde o que nos move é a jornada dos personagens. Já sabemos quem está por trás dos crimes e o porque deles estarem sendo cometidos. Mas isso não interfere no suspense criado pelo autor e do começo ao fim do livro, temos uma história muito bem escrita e melhor ainda desenvolvida, onde todos os pontos vão se ligando e no fim o autor termina a história de uma maneira que eu não imaginava. E até precisei reler para ver se era aquilo mesmo. Jogada de mestre. Depois do livro lido virei fã do autor e preciso de outros livros dele.

Além da história magnifica, ainda temos personagens inesquecíveis. Geralmente temos um personagem que se destaca em histórias do gênero e outros que apesar de serem bons, são coadjuvantes para esse um. Mas aqui temos três ótimos personagens, e apesar de ter me encantado mais por um deles, tenho que reconhecer que os três são muito intrigantes. David, o assassino, é aquele personagem que você fica o tempo todo querendo que seja pego, mas ao mesmo tempo tem aquele senso de justiça que fica buzinando em nossos ouvidos. Ele está fazendo o que lhe ensinaram, mas ai vem aquela, ele está matando gente inocente. Meus sentimentos foram contraditórios a história inteira.

William foi outro que eu fiquei o tempo inteiro torcendo para que ele caísse na real e percebesse o que ele estava fazendo. Mas então em um momento ele entra em um caminho sem volta que me chocou. Ele representa a grande parte da sociedade que vê, mas finge que não e dorme em paz com aquele sentimento de "não fui eu". E já que aconteceu mesmo porque não posso tirar algum tipo de vantagem com isso? Mas meu personagem favorito sem dúvida alguma foi Artur. Eu não acredito em amor a primeira vista, mas foi o que aconteceu. Eu não sei explicar o que senti pelo personagem, mas sabe aquele tipo de pessoa que você queria que fosse real e fosse seu amigo? Aconteceu aqui.

Enfim, para não me alongar muito mais nessa resenha porque dai ninguém vai ler, e também esse livro é daqueles que tem que ser lido e apreciado, pois será uma experiencia única para cada leitor e por mais que eu fale sobre ele não será possível expressar o quanto ele é bom. Só me resta indicar o livro para quem gosta de ser surpreendido e ser envolvido por uma história. A edição está muito bem feita. E gostei muito de terem mantido a capa original. E quero agradecer a Tamires pela ótima indicação. E ao autor é claro por me presentear com o melhor livro que li até agora esse ano.

Nota: 






14 julho 2017

Sociedade, Eu e Nós

Existe formula perfeita da vida?
A sociedade disse que sou velha demais pra morar com meus pais.
A sociedade disse que estou velha para engravidar.
A sociedade disse que se eu escolher cuidar da casa e da família e não trabalhar fora, sou uma desocupada.
A sociedade disse que pra eu ser completa preciso "agarrar" um homem.
A sociedade disse que só sou uma pessoa bem sucedida se tiver no mínimo um carro.
A sociedade disse que devo não comer carne, parar com o café, emagrecer, comer carne, engordar...
A sociedade disse que ficar pra titia é algo muito triste.
A sociedade diz que não devo repetir a roupa várias vezes.
A sociedade disse que tenho que ter conquistado tudo aos 30.
A sociedade disse que não existe amizade entre homem e mulher.
A sociedade diz que se eu chorar sou sentimental demais. Mas se controlo minhas emoções sou fria.
A sociedade disse que o homem é quem deve dar o primeiro passo.
A sociedade impõe aos homens que devem sustentar a família e não pode chorar, não deve usar rosa e jamais brincar com brinquedos que seriam de meninas.

A vida não é um jogo de tabuleiro

A sociedade disse que mulher não pode ter muitos namorados, e que homens devem "pegar todas"
A mesma sociedade cobra de mim filhos, mas se optar em ter além de dois filhos eu sou irresponsável. Porém se minha escolha for não tê-los, sou egoísta.
A sociedade disse que meu cabelo cacheado tem ar de relaxado e que o liso é o modelo ideal para se ter sucesso.
A sociedade também disse que o liso é sem graça e que é melhor dar um volume nele.
A sociedade diz o que devo assistir. Diz também que devo me vestir conforme minha idade.
Quem é a sociedade para colocar o dedo em nossas caras e dizer o que devo gostar, o que não devo fazer, como fazer e onde ir?
A sociedade fala de mais e cobra além dos limites.
É hora da sociedade ficar quietinha e parar de fazer fórmulas da felicidade e do sucesso e enxergar que cada indivíduo é diferente, onde cada um tem seus sonhos e anseios.
E nossa parte é respeitar nossos limites e sonhos e deixar a sociedade falando sozinha.
A vida não é uma receita de bolo a ser seguida... O que você tem ou deixa de ter é consequência de suas escolhas. O ser humano que é você, é mais importante que o seus bens materiais...


Hoje esse texto é um grito daquilo que está entalado em muitas gargantas.
Não é uma reclamação e sim uma reflexão, uma forma de mostrar que é preciso dar um basta nas fórmulas de vida que nos impõem.

Com o amadurecimento, venho observando tantas coisas... E vejo que nossos pré-conceitos nos impedem muitas vezes de fazer algo que gostaríamos de fazer, às vezes é um simples penteado ou uma declaração de amor...

Mudar de ideia não é sinônimo de falta de personalidade e sim de amadurecimento...
Bjs



(Sim o texto é meu, caso se desejar usar, por favor colocar o devido crédito)




12 julho 2017

Resenha | Os Filhos da Tempestade - Rodrigo de Oliveira


Livro: Os Filhos da Tempestade
Série: ?
Gênero: Terror, Suspense e Mistério
Autor: Rodrigo de Oliveira
Editora: Planeta do Brasil
Páginas: 336
Ano: 2017

Resenha:
Foi em 1692 que Salém passou pelo período mais conturbado de sua história. Uma escrava contou a um grupo de garotas o que sabia sobre as tradições vodu e depois disso as garotas começaram a ter pesadelos e convulsões e até a agir como animais. Uma dessas garotas era filha do reverendo Samuel Parris e como o médico não encontrou nenhuma explicação racional para o que estava acontecendo, declarou que a garota era vitima de bruxaria. A cidade então foi tomada pelo pânico e liderados pelo juiz Samuel Sewall, uma verdadeira caça as bruxas teve início, com muitos inocentes sendo mortos. Cinco anos depois o episódio parece superado até que o juiz Sewall conhece Carol Smith e um suposto caso de bruxaria se apresenta novamente em suas mãos. Para não acontecer uma nova caça as bruxas, Sewall decide mandar Carol para ser julgada no Vaticano e justifica essa decisão dizendo que a questão é referente ao céu e ao inferno e nada mais justo do que os padres lidarem com ela. 

Carol embarca no galeão Vivian rumo a Europa. Ela fica isolada de todos, mas John um dos marujos, fica encarregado de sua alimentação e acaba se rendendo ao charme de Carol. Ela pede que John lhe traga uma rosa de presente e se possível seu medalhão que lhe foi tirado no momento em que foi presa. Incapaz de resistir, John trás o que ela pede, e quando entrega a rosa ele acaba ferido pelos  espinhos. Então Carol corta sua mão e une seu sangue ao de John dizendo que agora ele lhe pertence. Carol se entrega a John, que nem percebe que está fazendo amor em cima de um pentagrama. E enquanto isso uma tempestade surge do nada matando a todos no navio. Carol tira a vida de John e a oferece como um sacrifício para seu mestre, pedindo que ele salve sua vida. Mas seu mestre decide fazer algo melhor e com o sacrifício de Carol cria um pedaço do inferno na terra. Essa parte do mundo posteriormente seria conhecida como Triângulo das Bermudas.

Tiago não poderia estar mais empolgado. Ele vai viajar para o exterior sem seus pais e é sua primeira vez em um avião. Tiago vai para Los Angeles participar de um concurso musical com vários de seus colegas do conservatório de música. E ainda tem um bônus: Cíntia, a garota que ele está interessado, também vai nessa viagem. O avião sai do Rio de Janeiro com um tempo ótimo, mas quando chega no Caribe o comandante percebe uma grande tempestade e tenta desviar dela, mas não consegue e depois de muito pânico o avião cai no mar e menos de um terço da tripulação sobrevive à queda. E o pior ainda não tinha passado. Logo que os sobreviventes conseguem sair do avião eles são pegos por um redemoinho. Tiago pensou que tinha chegado a sua vez, mas ele acorda em um lugar completamente diferente. A primeira coisa que ele percebe é o céu claro sem nuvens e o Sol a pino, e segundo é que o lugar mais parece um cemitério de embarcações. E somente os adolescentes que estão vivos, todos maiores de dezoito morreram no redemoinho. É então que eles veem uma ilha. E eles percebem que não estão sozinhos. Mas a presença humana é o menor dos perigos que eles vão enfrentar.

"- Qual é, se ele conseguiu a gente também consegue. Sobrevivemos à queda de um avião em meio a uma tormenta! Somos os Filhos da Tempestade agora - Cíntia falou, em tom zombeteiro, desafiando os amigos."

Eu me apaixonei pela escrita do Rodrigo na série As Crônicas dos Mortos e quando vi que ele estava lançando um livro novo, é claro que já quis ler. Nem precisava saber nada sobre o livro e já sabia que ia gostar. E foi assim que comprei o livro, sem nem ler a sinopse. Só dai quando o livro chegou aqui em casa fiquei sabendo que era um livro que ia tratar de um assunto que sempre fui fascinada: o Triângulo das Bermudas. Eu assistia todos os filmes que sabia ser sobre isso. Navios, aviões que desapareciam naquele trecho. Eu que sempre fui fã de mistérios não tem como não ficar curiosa para saber se é verdade mesmo e o que realmente acontece por lá. Então imaginem minha ansiedade para a história. Um autor que amo, com um assunto que sempre fui fascinada. E ainda bem que minhas expectativas foram atendidas. O livro é tudo o que eu esperava e mais um pouco. 

O livro não é tão adulto como as Crônicas dos Mortos. Fora a primeira parte que é mais pesada, o restante vai acompanhar adolescentes, por isso a história é mais leve. Mas nem por isso deixa de ter aquela pegada de suspense misturada com terror, caraterística do autor. Depois do começo arrasador, temos uma acalmada na história quando nos é apresentado os adolescentes que acabam na ilha. Então vamos acompanhar a adaptação desses jovens, que não é nada fácil. Aqui o livro poderia ter sido dividido em primeira e segunda parte porque temos um outro personagem inserido na história. Uma adolescente colombiana acaba indo parar na ilha e encontra os já conhecidos personagens e eles vão viver uma nova aventura. E quando a gente pensa que tudo terminou, o autor deixa um gancho enorme para um próximo livro, que não sei se haverá ou não. E ainda faz uma revelação surpreendente. Fiquei de cara quando descobri.

Quanto aos personagens, temos três que tem mais destaque que os outros, Carol, Tiago e Melina, mas todos os outros são relevantes. Só uma dica: não se apegue. O autor continua tão mau como em As Crônicas dos Mortos e mata sem dó. Carol é a primeira personagem que aparece e é ela quem dá inicio a toda essa confusão. E mesmo não aparecendo ao longo da história, seu nome é citado o tempo todo. Tiago é um adolescente de quatorze anos que mostra muita maturidade e acaba se tornando o líder do grupo. E por fim Melina, a terceira protagonista que aparece no meio da história, mas que também é um dos pontos chaves de todo mistério. Enfim, é um livro que indico sem pensar duas vezes. A história é ótima e a edição está muito bonita. A capa tem tudo a ver com a história e logo que vi ela me lembrei dos filmes que assistia sobre o Triângulo das Bermudas. Se você assim como eu, é fã de um bom livro de suspense com toques de terror, esse livro é para você.

"Aquele lugar era maldito. Ele viciava, seduzia e aprisionava as pessoas. Era como uma gigantesca teia de aranha da qual era impossível escapar."

Nota:





© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo