16 fevereiro 2018

Resenha | Que Mico! - Dieison Engroff


Livro: Que Mico!
Série: Não
Gênero: Humor
Autor: Dieison Engroff
Páginas: 102
Ano: 2017
Sinopse:
Todo mundo tem daqueles parentes que são iguais à segunda-feira; a gente não gosta, mas não tem como escapar deles. Sempre há alguém que fala o que não deve, que faz piada sem graça, ou que paga de abobado nas redes sociais...
Essas situações hilárias e que rendem boas risadas a Rô compartilha com você! Ela quase morre de vergonha com cada mico e mancada cometidos por sua família, coitada! Os parentes dela, sem muito esforço, conseguem estourar todos os micômetros do planeta.
É tanto mico que provavelmente você irá terminar a leitura com a barriga doendo de tanto rir e dirá: “Ufa! Ainda bem que não foi comigo!”
Um livro de humor, que também aborda questões sérias como consumismo, separação dos pais e o típico constrangimento que muitos adolescentes sentem em relação ao pai e à mãe. É pra pensar e se divertir!

Resenha:
A resenha de hoje vai ser bem curtinha, porque a história é bem curta também, o e book tem cerca de 100 páginas. Como vocês viram pela sinopse ele não tem um enredo propriamente dito, por isso a resenha vai ser diferente hoje, não vai ter os parágrafos que falo sobre a história, vou logo para as minhas impressões. Lendo a sinopse já dá para perceber que esse livro é daqueles feitos para dar risada. Mas além de me divertir muito lendo ele, teve outra coisa que amei nele: me deu uma nostalgia danada.

A forma como o autor narrou o livro, me pareceu que eu estava assistindo uma comédia stand-up. É como se a Roberta, a narradora, estivesse ali de pé na sua frente contando várias piadas. E é impossível não rir com as situações. E também é impossível não se identificar. Mesmo quem já passou da idade dela, uma adolescente na faixa dos quatorze anos, vai conseguir se ver nas situações que ela conta, porque quem aqui não tem parentes que só fazem a gente pagar mico? Principalmente a nossa mãe.


Por isso que dizem que mãe é tudo igual, só muda o endereço. Parecia que era da minha mãe que ela estava falando. Me identifiquei muito, em várias partes. E o pior, não importa a idade, porque eu já estou com 36 anos, ela não muda nunca, continua agindo igualzinho quando eu tinha 12 anos. Por isso que disse que mesmo se você for mais velho, vai gostar da história. Apesar de narrado por uma adolescente, bem da mimada diga-se de passagem, o livro é indicado para todas as idades.

Uma coisa que minha mãe faz igual a da Roberta é falar as coisas erradas e continuar falando mesmo que a gente ensine o certo. E tem as pragas de mãe tipo "leve um guarda-chuva/blusa", não leve para ver, vai chover ou esfriar com certeza hehe. Outra parte do livro que me identifiquei muito foi quando ela fala do natal. Aqui em casa é igualzinho hehe. Só que diferente da Roberta sou a velha da história. Até tem um teste no final do livro e meu resultado foi A chata que aparece na ceia hehe.

Enfim, é um livro que recomendo porque me diverti muito lendo ele e me lembrando das situações, que já vivi a maioria das citadas no livro. Só não dei nota máxima porque achei a Roberta um pouco mimada e chatinha. Mas de resto eu amei. Quem quiser pode adquirir o seu na Amazon e quem participa do KindleUnlimited, aproveite que ele faz parte do programa.

Nota:







14 fevereiro 2018

#10 | Eu Quero!

Já fez sua listinha de desejados de fevereiro? Foi dificil escolher apenas cinco para colocar na postagem porque esse mês as editoras estão com tudo nos lançamentos.

Desde que assumiu o trono de Tearling, Kelsea Glynn passou de princesa inexperiente a rainha destemida. Sua busca por justiça fez com que todo o reino mudasse com ela, mas quando os inimigos que fez ao longo do caminho ameaçam destruir seu povo, ela toma uma decisão inimaginável: se rende à Rainha Vermelha em troca de salvar Tearling. Sem as safiras, sem seus homens de confiança e trancafiada em Mortmesne, Kelsea precisa de novo recorrer ao passado, às experiências de mulheres que viveram antes dela, buscando em suas histórias a saída para uma situação impossível. O jogo está para terminar, e o futuro de Tearling será revelado de uma vez por todas. Com O Destino de Tearling, Erika Johansen traça o clímax inesquecível dessa aventura cheia de magia e emoção.
“Um final épico e eletrizante, que causou muita ansiedade nos fãs. Se você ainda não leu os dois livros anteriores, com certeza devia estar correndo atrás disso.” – Buzzfeed
“Personagens bem-desenvolvidos, que nunca ficam entediantes, e vilões que são tão fascinantes quanto os heróis... O final dessa série maravilhosa vai dar o que falar aos leitores.” – Library Journal

Eu quero muito saber o final dessa história que me conquistou desde o primeiro livro. A capa está tão linda quanto as outras e espero que feche a história com chave de ouro.

Devon Ravenel, o libertino mais maliciosamente charmoso de Londres, acabou de herdar um condado. Só que a nova posição de poder traz muitas responsabilidades indesejadas – e algumas surpresas.
A propriedade está afundada em dívidas e as três inocentes irmãs mais novas do antigo conde ainda estão ocupando a casa. Junto com elas vive Kathleen, a bela e jovem viúva, dona de uma inteligência e uma determinação que só se comparam às do próprio Devon.
Assim que o conhece, Kathleen percebe que não deve confiar em um cafajeste como ele. Mas a ardente atração que logo nasce entre os dois é impossível de negar.
Ao perceber que está sucumbindo à sedução habilmente orquestrada por Devon, ela se vê diante de um dilema: será que deve entregar o coração ao homem mais perigoso que já conheceu?
Um sedutor sem coração inaugura a coleção Os Ravenels com uma narrativa elegante, romântica e voluptuosa que fará você prender o fôlego até o final.

Já sabem que romance de época é meu ponto fraco, e que capa é essa? Espero que seja tão bom quanto os outros livros da autora.

O quinto volume da série best-seller Perdida.
Valentina de Albuquerque descobriu muito cedo que não é nenhuma princesa encantada. Em vez de bailes e romance, tudo o que a jovem deseja é encontrar um jeito de viver com dignidade longe do pai e da madrasta, que tem como hobby fazer da vida dela um inferno. A oportunidade surge com uma proposta de casamento. Quase passando da idade de se casar, Valentina cogita aceitar. Seu coração não se alvoroça com o pretendente, mas ela não está à procura do amor. Seria um bom arranjo... se o capitão Leon Navas não cruzasse o seu caminho. O misterioso espanhol é mal-educado, irritante, atrevido — além de lindo —, e Valentina ficaria muito feliz se jamais voltasse a vê-lo. Mas o destino parece decidido a reuni-los, e, após um equívoco embaraçoso, ela está noiva de Leon, de quem pouco sabe, exceto que seu coração dispara toda vez que seus olhares se cruzam e que irritação não é o único sentimento que o capitão lhe desperta. Então Valentina sofre um terrível acidente. Assustada, porém disposta a provar que não foi um simples acaso, ela vai atrás do responsável. Entre suspeitas, disfarces, segredos e contratempos, a moça acaba sucumbindo à irresistível e devastadora paixão, sem se dar conta de que o perigo ainda está à espreita... Poderá uma garota nem um pouco encantada viver um conto de fadas e conseguir o seu final feliz?

Recentemente li um livro da Carina que me decepcionou muito, logo tem resenha dele aqui. Mas nem por isso vou deixar de desejar o ultimo livro da série que me ganhou. E olha que só li os dois primeiros. Preciso colocar em dia hehe.

Tudo o que Sebastian Wright, Conde de Nottingham, deseja é trazer à vida de sua jovem irmã um pouco de alegria e interesse pela temporada na Corte. Para isso está disposto até mesmo a aturar os caprichos de uma petulante professora de piano.
Flora precisa de trabalho. Com um inverno rigoroso a frente, ela não será capaz de suportar meses com pouco carvão e lenha insuficiente. O convívio com a doce Emma compensaria a arrogância e o orgulho de Lorde Sebastian, símbolo de tudo que ela mais menospreza na nobreza.
O que ambos não esperavam é a inexplicável atração que surge quando a convivência se intensifica e explode numa situação imprevista.
Porém a aristocracia possui suas exigências e o casamento com uma jovem malnascida não está entre os planos de um conde. Por outro lado, Flora jamais se permitiria viver como amante depois do exemplo que teve dos pais.
Será possível a nobreza de caráter ser mais valorizada do que a nobreza do sangue?
Poderá a beleza da alma cativar mais do que a aparência física?
O que realmente toca um coração?

Esse livro descobri por acaso em um blog que não lembro qual foi. Não conheço a autora ainda, mas amei essa capa e o gênero já me ganhou hehe.

E OS HUMANOS DESCOBREM QUE A PIOR DESGRAÇA NÃO SÃO OS ZUMBIS...
Vários anos se passaram desde que Uriel, agindo como um tirano, assumiu o controle da maior colônia de sobreviventes do apocalipse zumbi na Terra.
Ivan, Estela e quase todos os seus aliados estão mortos. Do grupo original, apenas Isabel, Mariana e alguns poucos conseguiram escapar de Ilhabela. E a cada dia, a fome de poder de Uriel e de seu filho, Otávio, aumenta, tornando a vida dos sobreviventes ainda mais penosa. O trabalho escravo se torna a regra. A cobrança de mais e mais tributos e a imprevisibilidade do poder central mantêm todos em constante alerta.
Otávio, que passou anos realizando pesquisas médicas, finalmente consegue um meio de controlar os bersekers, os zumbis monstruosos, transformando-os em cães de caça. É a sua forma de assegurar a permanência no comando da comunidade, mas também de destruir, pelo medo, qualquer intenção de resistência. Então, ele produz algo ainda pior, uma criatura feroz e diabólica com o poder de destruição em massa.
Há muito em jogo. O governo central ainda considera Isabel uma grande ameaça, seja viva, ou morta-viva, o que poderia transformá-la numa nova Senhora dos Mortos. Mas, duas crianças chamam a atenção de Isabel que decide prepará-las para batalhas ainda mais sangrentas. Serão elas a esperança para o fim daquela era de medo e destruição?
A derradeira batalha está para começar, mas os inimigos, humanos e zumbis, também têm suas surpresas.
Sejam bem-vindos a uma nova era de horror e violência. Esta é... a Era dos Mortos.

E por fim esse livro que acompanho a série desde que lançou o primeiro. É o ultimo livro da saga, mas dai quando fui ver é a primeira parte, então vai ter outro o que já me desanimou um pouco. Mas a história é tão boa que vale a pena hehe.

Essa foi minha lista. Como ficou a sua? Deixe nos comentários quais lançamentos do mês que entrou para sua lista de desejados.





13 fevereiro 2018

Resenha | Sonhos com Deuses e Monstros - Laini Taylor


Livro: Sonhos Com Deuses e Monstros
Série: Feita de Fumaça e Osso # 3
#1 - Feita de Fumaça e Osso
#2 - Dias de Sangue e Estrelas
Gênero: Fantasia
Autora: Laini Taylor
Editora: Intrínseca
Páginas: 560
Ano: 2015

Contém spoilers dos livros anteriores.

Resenha:


"Era uma vez 
um anjo e um demônio que levaram a mão ao coração
e deram início ao apocalipse."

Em Feita de Fumaça e Osso conhecemos Karou, uma garota de cabelos azuis que percorre o mundo trocando desejos por dentes. Os dentes são para Brimstone, o "pai" quimera de Karou. Ela não sabe para que serve os dentes, mas tem alguém que sabe e está de olho nela, Akiva, um serafim. Quando eles se encontram acabam se apaixonando sem saber que na verdade eles já foram apaixonados no passado já que Karou na verdade é Madrigal, uma quimera que traiu seu povo por amor a Akiva. Por ter se apaixonado por um anjo, inimigo mortal dos quimeras (demônios), Madrigal foi condenada a morte, mas Brimstone a ressuscitou sem que ninguém soubesse. E quando Akiva vê que perdeu seu grande amor ele mata toda a família de Madrigal que não fizeram nada para ajudá-la.

Já em Dias de Sangue e Estrelas, Karou recuperou sua memória e decide se afastar de Akiva pelo o que ele fez com sua família e assume o lugar de Brimstone ressuscitando todo um exército de quimeras e trabalha sob as ordens do Lobo Branco. Já Akiva acha que perdeu seu grande amor novamente e acaba se juntando aos seus irmãos Serafins. Mas numa reviravolta Jael se tornou o Imperador dos Serafins e vem para a Terra com seu exército de anjos com o objetivo de se apossar da tecnologia humana para acabar de vez com seus inimigos. Quando eles chegaram, a Terra parou. E Zuzana sabe que onde está Karou não tem acesso a essas informações e decide ir até ela, mesmo arriscando sua vida.

Mas Karou está pisando em ovos. Ela matou Thiago e colocou Ziri no corpo do Lobo Branco e tem que fazer de tudo para que ninguém descubra isso, muito menos o exército de quimeras que só obedece ordens de Thiago. Por isso ela tem que ser forte para parecer aos olhos de todos uma fraca submissa ao Lobo Branco. Ainda mais que o Lobo Branco aceita a ideia de Akira de que os Ilegítimos e os quimeras lutem juntos contra o exército de Jael. O antigo sonho de Akiva e de Karou pode se tornar realidade mesmo que de uma forma diferente da que eles sonharam. Mas anjos e quimeras juntos no mesmo espaço é certeza de confusão. Até quando essa ideia vai dar certo? E enquanto eles se preparam para lutar vamos conhecer Eliza, uma garota que sempre sonhou com as feras, que de uma hora para outra saíram de seus sonhos e se tornaram realidade.

"Há o passado e há o futuro. O presente nunca é mais do que a fracção de segundo que divide uma coisa da outra."

Faz tanto tempo que li os dois primeiros livros dessa trilogia que nem me lembrava direito da história e precisei sair a caça de informações para refrescar minha memória. E não sei porque não tinha lido o ultimo livro ainda porque tenho ele aqui desde que foi lançado. Eu comprei Feita de Fumaça e Osso pela capa e acabei com uma história maravilhosa em mãos. Quando essa trilogia foi lançada, as histórias com anjos caídos estavam no auge e a autora conseguiu se destacar entre elas. Karou roubou a cena e me apaixonei pela garota de cabelos azuis que descobria ser uma quimera. Então veio o segundo livro e a Karou decepcionou um pouco, principalmente no quesito fazer burradas, então esperava uma redenção dela nesse terceiro livro. E ela aconteceu. Mesmo que só da metade em diante.

Como já fazia muito tempo, demorei para pegar o ritmo do livro e só me joguei na história mesmo lá pela metade. Mas também dai li as ultimas duzentos e cinquenta páginas todas de uma vez porque não conseguia largar. A autora criou uma história incrível que teve seus pontos altos e baixos, mas mesmos nos baixos, ele ainda ficou acima da média. A história começou parecendo que seria mais uma infanto juvenil de anjos e acabou se tornando uma trama complexa com um final de tirar o folego com tudo explicadinho, sem nenhuma ponta solta para deixar alguma dúvida. E amei o final. Mesmo a autora tendo feito um final fechado, se ela quiser tem muito material para uma continuação. Como ponto negativo, só achei que faltou um pouco mais da batalha que foi anunciada desde o primeiro livro.

E o romance entre os protagonistas? Começou de tirar o folego lá no primeiro livro, depois teve a separação deles no segundo e nesse terceiro me deu agonia. Sabe quando está ali no ar, quase que dá para pegar nele, mas ele não se concretiza? Meu Deus, que aflição. Akiva foi um amorzinho a trilogia toda. Nunca desistiu de sua amada e nem de seus companheiros. Já Karou eu amei em algumas horas, me irritei em outras, mas terminou da forma que eu achei mais correta. E Liraz que teve uma participação memorável nesse livro e olha que eu nem gostava dela antes. Agora não posso deixar de mencionar a Zuzana e o Mik que roubaram a cena em várias partes e merecia ter uma história só deles. Já a Eliza não gostei nem desgostei. Enfim, é uma trilogia que recomendo muito. Para quem gosta de livros com anjos e ainda não leu essa trilogia, não sabe o que está perdendo.

Nota:






11 fevereiro 2018

Promoção | Folia Literária


Carnaval é tempo de festa e de... sorteio! \õ/ O Natal Literário foi um sucesso tão grande que resolvemos repetir a dose, agora com um sorteio de Carnaval. A gente faz com muito carinho e dedicação para que vocês, leitores queridos, tenham sempre oportunidade de concorrer a kits maravilhosos! Acho que sorteios comemorativos vão virar uma tradição nossa e quem sabe não vem também um sorteio de Páscoa por aí...

10 fevereiro 2018

Falando Sobre...


Hoje eu vim falar de uma coisa que aconteceu no final do ano passado e me incomodou muito. Fim de ano geralmente os leitores fazem aquela retrospectiva e uma garota compartilhou em um grupo literário no facebook que tinha lido mais de 220 livros no ano passado. Não lembro o número exato, mas eram mais do que 220. Dai imagina-se que ela fosse receber os parabéns pela quantidade de livros lidos, já que estamos em um pais que a média literária é de menos de 5 livros por ano. Ainda mais em um grupo composto por leitores. Mas não foi o que aconteceu. Grande parte dos comentários foram sim elogiosos, mas uma boa parte deles foram para ofender a garota.

É claro que essas pessoas foram banidas pelos organizadores do grupo. Mas contei isso tudo porque quero falar sobre duas coisas, ou alguns comentários que me chamaram a atenção. Primeiro foi a frase quantidade x qualidade que foi dita várias vezes e, segundo, um dos comentários que também me ofendeu porque eu já ouvi isso uma vez e não gostei nenhum pouco. Era ele: "se eu não tivesse vida, também lia tudo isso no ano".

Quem acompanha o blog sabe que leio muito, menos do que eu gostaria é claro, e resolvi trazer esse assunto aqui porque já ouvi essas duas coisas diversas vezes. Eu leio mais de 200 livros no ano sim. Eu tenho uma vida? Minhas leituras tem qualidade? A resposta é sim para as duas perguntas.

Eu sou blogueira há quase 6 anos e antes disso já tinha lido muitos livros na minha vida. Eu trabalho fora, trabalho em casa, assisto novelas, séries e filmes, frequento uma igreja, converso muito e tenho sim tempo para ler porque ler é uma das coisas que mais gosto de fazer na minha vida. Quando era adolescente e apenas estudava eu lia um livro por dia praticamente e teve uma vez que a bibliotecária da escola me elogiou para algumas pessoas e uma delas disse: " ela lê bastante assim porque só estuda". O interessante é que hoje faço tudo isso que citei e leio do mesmo jeito. Só não leio um livro por dia porque não tenho dinheiro para tudo isso hehe.


Se você não consegue ler muitos livros por mês/ano, talvez seja porque sua prioridade não são os livros, como é a minha. Porque nosso dia tem a mesma quantidade de horas e minutos. Prioridade é a palavra. Uma vez fui em um lançamento literário e a minha sobrinha que foi comigo disse para o editor que não tinha tempo de ler e ele respondeu que ela tinha tempo sim, só que seu tempo não era usado para ler os livros, que sua prioridade era outra. Quantas pessoas ficam meia, uma e até duas horas em redes sociais e dizem não ter tempo de ler. Em meia hora dá para ler pelo menos 20 páginas de algum livro. Mas se sua prioridade são as redes sociais, é claro que você não vai conseguir. Falo isso por experiencia própria porque já peguei no celular só para dar uma olhadinha e acabei ficando mais de meia hora olhando o facebook.

Então não use essa desculpa de tempo. Você usa ele como quiser. E não estou criticando quem lê menos que eu. Meu objetivo sempre foi incentivar a leitura, mesmo antes de ter um blog, não a quantidade de livros. Então leia nem que seja um livro por ano, leia no seu tempo, só não critique quem lê menos ou mais que você. Eu amo ler, sempre amei e leio sim até bula de remédio e propaganda de supermercado. E aqui entra a outra questão. Minhas leituras não tem qualidade porque eu leio quantidade?



O que seria leitura de qualidade? Quem ai tem autoridade no assunto para poder medir a qualidade dos livros? Infelizmente ainda existe muito preconceito literário e muita gente que acha que só lê com qualidade quem lê clássicos e poesias. Se for esse o parâmetro, minhas leituras não tem nenhuma qualidade porque são duas coisas que eu não leio.

Acho que já está na hora de parar de julgar o que cada um lê e deixar o povo ler o que quiser. Afinal o importante é ler. E ler o que gosta. Tem que parar com essa besteira de achar que todo mundo tem que gostar do que você gosta. Desde criança que eu e meu sobrinho lemos juntos. Como temos quase a mesma idade nós crescemos juntos e começamos a ler na mesma época. Eu amo romance de época, ele não gosta. Ele ama ficção científica, eu não. Ele lê Stephen King desde os 8 anos. Enquanto isso eu lia Agatha Christie. E sempre nos apoiamos. Quando começamos a falar sobre livro as outras pessoas da família até saem de perto porque o assunto rende. Temos gostos opostos, mas nos respeitamos. E é assim que deveria ser sempre. Com todo mundo. Em tudo. Respeito acima de tudo.


Agora que já desabafei vou dar algumas dicas para quem quer ler mais do que já está lendo. Comigo funcionou.
Ler o que gosta
Não insista em algo que não está gostando. Você só vai perder seu tempo e atrasar as outras leituras. Procure ler o que gosta e não ligue se o que você gosta não é o mesmo que a maioria. O importante é a leitura te fazer feliz.
Tirar um tempo para leitura
É imprescindível que você reserve um pouco do seu tempo para os livros. Se não tem esse hábito comece com alguns minutos por dia e vá aumentando com o tempo. Mas saiba a hora de parar. Se as páginas não estão mais virando sozinhas, pare e volte a ler em outra hora.
Elimine as distrações
Tem gente que consegue ler ouvindo música, ou assistindo TV, e até mesmo em meio a vários pessoas conversando. Se você não é uma delas, vá para um local tranquilo e deixe o celular longe por favor hehe.
Leitor Digital
Sei que não é todo mundo que tem dinheiro para comprar um e-reader, mas temos o Kindle para celular por exemplo. Depois que comprei um kindle as minhas leituras aumentaram 50%. Além de ser mais leve, no meu caso como ele marca a quantidade de páginas e o tempo que falta para terminar o livro, isso é um incentivo para eu ler mais.

Mas o mais importante de tudo é ler no seu tempo, mas sempre ler. Afinal é isso que somos: leitores.






08 fevereiro 2018

Resenha | Mentira Perfeita - Carina Rissi


Livro: Mentira Perfeita
Série: Spin-off de Procura-se Um Marido
Gênero: Chick-Lit
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Páginas: 462
Ano: 2016

Resenha:
Júlia mora com sua tia Berenice desde seus seis anos e hoje aos vinte e cinco ela ainda lembra aquela garota assustada que fingiu que estava tudo bem enquanto esperava o juiz decidir sua vida. Não fisicamente, porque ela mudou bastante ao longo dos anos, mas emocionalmente ela ainda não se abre para ninguém e não pretende entregar seu coração para alguém que a qualquer momento pode decidir ir embora sem nenhum aviso. Por isso ela fica arrasada quando seu melhor amigo Dênis avisa que está com sua tia no hospital e que as chances dela são mínimas. Faz alguns meses que a insuficiência no coração de Berê foi descoberta e sem um transplante, só resta acreditar em um milagre. O médico diz que Júlia não pode aborrecer sua tia então quando ela começa a falar sobre seu medo de deixar Júlia sozinha nesse mundo e Dênis diz que ela não precisa se preocupar porque Júlia está namorando, Júlia concorda com ele.

Mas uma mentira chama outra, e quando percebe Júlia já descreveu seu namorado perfeito, o quanto está apaixonada e seus planos para um possível casamento. O que Júlia nem imaginava era que essa mentira sem nenhuma importância era o milagre que faltava para sua tia reagir e depois de sofrer três paradas cardíacas o médico diz que não sabe como, mas Berenice está se recuperando milagrosamente. E a primeira coisa que ela fala para Júlia é que faz questão de fazer o vestido do casamento dela e pede para conhecer o namorado de Júlia o mais rápido possível. O namorado que nem Júlia conhece ainda. Júlia não pode contar a verdade e correr o risco de Berê piorar, por isso vai enrolando a tia como pode. Só que assim que recebe alta, Berenice gasta todas as suas economias em um contrato de casamento e apesar de tentar, Júlia não consegue rescindir o contrato sem perder todo o dinheiro que sua tia economizou.

É então que Júlia conhece Marcus, irmão do noivo de Alicia, dona da empresa onde Júlia trabalha. Depois de um acidente de moto, Marcus ficou paraplégico e pensou que nunca mais ia conseguir andar, mas as coisas estão mudando e ele tem uma chance. Ele mora com seu irmão Max, mas como Max vai se casar com Alicia, ele quer ir morar sozinho, o que sua família é completamente contra, ainda mais depois de uma acidente que todos imaginaram ser uma tentativa de suicídio e só aceitam essa ideia se ele contratar alguém para cuidar dele. E quando Marcus fica sabendo do dilema de Júlia, ele se oferece para fingir ser seu namorado em troca dela fingir ser sua cuidadora. Júlia reluta em aceitar, ainda mais que ela parece ter alergia de Marcus, porque toda vez que chega perto dele, ela sente comichões pelo corpo. E Marcus apesar de fingir que não, também não é nenhum pouco indiferente a Júlia.

"— Tem certeza que é boa ideia, Ju?
— E por que não seria? — Mordi o sanduíche. — Ele é... é bem legal.
— Esse é o problema. Quando o Marcus banca o folgado, é fácil gostar dele. Quando ele fala sério, é impossível resistir a ele."

Carina Rissi é uma das minhas autoras favoritas, então quando pego um livro dela para ler já sei que vou gostar. A Carina tem se destacado no gênero chick-lit não é de hoje e essa duologia é a prova disso. Os dois livros são ótimos, mas Mentira Perfeita ainda consegue ser um pouquinho melhor do que Procura-se Um Marido. Ele tem os clichés que já estamos acostumados a ver no gênero, mas ainda assim a história se destaca. Narrada em primeira pessoa e dividido nas visões dos dois protagonistas, temos uma história divertida, engraçada e muito romântica. Mas tenho que dizer que assim como em seus outros livros, a Carina peca pelo excesso de páginas. Na minha opinião não seriam necessárias quase 500 páginas para contar essa história.

Marcus, já conhecemos do livro anterior e ele já havia me ganhado assim que apareceu na história da Alicia e do Max. Ele é um personagem incrível que mesmo estando em uma cadeira de rodas não fica se lamentando pela vida que poderia ter. Ele faz o que consegue dentro dos seus limites. Trabalha, estuda, é independente e tem um jeito que deixa qualquer um ao seu lado de bom humor. Sem falar no seu lado sedutor. O problema é que sua família não acredita que ele possa se virar sozinho por ser um cadeirante. Ainda bem porque assim ele acaba conhecendo Júlia, uma garota que tem tanto medo de ser não ser querida que se esforça para ser a melhor em tudo o que faz para ninguém ter motivo de se afastar dela. Assim que ela acaba fazendo as vontades loucas de sua tia, por medo de perdê-la. Ainda mais que ela está mal de saúde.

E esses dois juntos são hilários. Desde o começo dá para ver que eles não estão enganando ninguém, só eles mesmo. As cenas entre eles são de rir e suspirar ao mesmo tempo. É impossível não torcer pelo casal, mesmo os dois sendo bem cabeça dura. E além de acompanhar os personagens principais, ainda temos a Alicia e o Max bem presentes na história, por isso mesmo o livro dando para ler separado, recomendo que se leia Procura-se Um Marido antes desse. As histórias aliás seguem a mesma formula, por isso eu até adivinhei alguns dos mistérios do livro. Mas é um livro que recomendo sem dúvida, mesmos com todos seus clichês. A capa do livro está muito bonita, mas encontrei vários erros de revisão. Mas nada que influencie na leitura. Demorei para ler, mas adorei o que li e fechei o ano passado com chave de ouro nas leituras.

Nota:







© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo